10 estratégias para diminuir brigas entre irmãos.


Quem tem mais de um filho sabe bem como é desafiador lidar com as diferenças, com o ciúme e com a rivalidade entre irmãos. Isso pode ser muito frustrante porque se você for como eu, você sonha em ter filhos do tipo melhores amigos pra sempre.

Eu não te prometo que com as 10 estratégias a seguir seus filhos nunca mais brigarão e que só reinará a paz em sua casa. Isso não é realista e nem desejável, porque os conflitos são uma importante oportunidade de crescimento e de aprendizado para qualquer criança. Contudo eu te garanto que usando estas estratégias, você vai perceber mais leveza, mais respeito e menos loucura e descontrole no dia-a-dia com filhos irmãos. Então, vamos lá:


1- Evite comparações. Só porque duas crianças nasceram na mesma família não significa que deveriam ser comparadas uma a outra. Eu gosto de pensar que meus filhos são filhos únicos, assim eu saio desse parâmetro comparativo e consigo observá-los e apreciá-los de forma única, singular e individual. Do mesmo jeito que nós não gostamos de ser comparados, nossos filhos também não. Comparações geram ainda mais resistência, brigas e rivalidade entre irmão.


2 - Não trate igual, trate de forma ÚNICA. Você já ouviu a frase “eu não entendo porque um saiu diferente que o outro, eu sempre tratei igual?”. Pois essa é a grande questão. Nossos filhos nascem com personalidades e temperamentos diferentes, com gostos e preferências singulares. Não tem como tratá-los igual, porque eles não são iguais. Nós precisamos tratar dos nossos filhos de forma ÚNICA, adequada às peculiaridade de cada um. Nem sempre o que é justo para um é justo para o outro. Nem tudo o que é eficiente com um será eficiente com o outro. Quando tentamos tratar nossos filhos de forma igual, somos injustos com ambos.


3 - Evite rótulos. Frases como “eu tenho um filho que é bagunceiro e um que é calminho” ou “esse daqui é preguiçoso e esse é estudioso” são rótulos comparativos que aguçam a rivalidade entre irmãos. Além de se perceberem como inimigos opostos, os nossos filhos se apropriam destes rótulos e acabam reforçando ainda mais em si este comportamento rotulado que nós lhes damos. Evite rotular suas crianças. Perceba que cada um é cada um, nem melhor nem pior que o outro. Cada um tem habilidades próprios que independem do outro.


4 - Resolução de Conflitos. Não sei vocês, mas quando eu vejo meus filhos se desentendendo, eu tenho a tendência de querer arbitrar e entrar na função de juiz para falar o que é certo e errado, o que é justo e injusto. Mas na verdade, o que devemos fazer é dar oportunidade dos nossos filhos resolverem problemas por conta própria se não eles sempre dependerão de nós para resolver qualquer que seja o problema que eles tenham um com o outro. Nosso foco deve ser gerar independência e confiar que eles conseguem, sim, encontrar uma solução para seus conflitos. Nós devemos intervir somente caso ocorra alguma agressão física, conforme explicarei no próximo ponto.


5 - Em caso de agressão física. É muito assustador quando vemos um filho nosso agredindo o irmão. E é muito importante que este limite seja claro para nossos filhos. Eles podem ficar bravos, eles podem se chatear com o irmão e podem desabafar conosco – mas a agressão física deve ser impedida por nós pais. Quando você perceber que alguma discussão entre seus filhos está se escaldando e pode partir para a agressão, separe seus filhos de forma objetiva. Use frases como “vejo que estão todos muito bravos aqui. Filho vai para o seu quarto, filha vai para a sala. Vamos nos acalmar para resolver isto depois.” Quero deixar claro que com este comando não estamos punindo nossos filhos e mandando eles irem para algum cantinho do pensamento. A ideia central é separar as crianças e dar um tempo para a cabeça esfriar. Ninguém consegue resolver conflitos quando está alterado. Separar as crianças em um momento de possível agressão preserva a dignidade por todos e abre espaço para um diálogo mais calmo depois que a calma voltar.


6 - Respeito pelo espaço e pertences. Geralmente filhos irmãos moram no mesmo lar. Isto significa que dividem o mesmo espaço a maior parte do dia. Por isto é importante que criemos espaço para cada um, um espaço que é só deles e é respeitado como tal. Pode ser um quarto, pode ser só a cama, pode ser um criado mudo. O mesmo vale para pertences. A criança tem que ter direito de possuir brinquedos, por exemplo, que sejam só dela e que ela divide se quiser ou não. Esta é uma forma de respeitar a individualidade de cada filho e mostrar que eles são respeitados independentemente dos irmãos.

7 - Tempo Especial. Uma ferramenta muito eficiente da Disciplina Positiva é gastar tempo intencional com nossos filhos, separadamente. 5 ou 10 minutos por dia com um só filho, sem interrupções, sem distrações. Seu filho saberá que naquele momento, a sua atenção é totalmente voltada pra ele. Isto encherá o tanquinho emocional dele e mais cheio ele estiver, mais abundante e generoso ele se sentirá, mais disposto a ajudar e a colaborar. Isto diminuirá significativamente a rivalidade entre irmãos pois cada um tem a certeza de que a mamãe sempre tem um tempo especial só para eles.


8 - Atividades Separadas. Filhos irmãos passam muito tempo juntos e podem até chegar ao ponto de enjoar um do outro.. Pode ser estratégico organizar momentos em que eles estejam separados fazendo atividades diferentes, seja dentro como fora de casa. Dar espaço para cada um vivenciar sua personalidade longe do irmão. Como se diz, é pra dar tempo de sentir saudade um do outro.


9 - Desabafar. A maioria dos pais deseja ardentemente que seus filhos se deem bem e sejam muito amigos. Por causa disso, nós pais temos uma grande resistência quando percebemos sentimentos hostis entre nossos filhos e não permitimos que eles reclamem um do outro. Mas é interessante darmos espaço para nossos filhos desabafarem sobre seus irmãos. Existem crianças que conseguem verbalizar seus sentimentos claramente, já outras conseguem ilustrar o que sentem quando brincam. Se seu filho começar a falar mal do irmão, ouça sem julgar. Esteja presente, acolha os sentimentos dele e dê espaço para ele colocar tudo pra fora. E se ele reclamar de algum problema pontual, tentem juntos encontrar uma solução para isso. É muito importante que nossos filhos se sintam amados, aceitos e pertencentes mesmo quando eles sentem sentimentos hostis contra seus irmão. E fique tranquilo, Nossos filhos não são maus porque sentem coisas negativas pelos irmãos. sentimentos são só sentimentos.


10 - Lembranças Positivas. Imagine uma balança. De um lado estão as lembranças e experiências negativas, e do outro lado estão as positivas. Uma das coisas que podemos fazer conscientemente é proporcionar momentos e lembranças positivas entres irmãos. As experiências negativas existirão inevitavelmente, mas se conseguirmos sempre colocar mais peso do lado das experiências positivas, elas se sobressairão na memória de nossos filhos.



54 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Se fossemos definir a empatia, poderíamos dizer que é a habilidade socioemocional de se colocar no lugar do outro, sentir como ele. Uma expressão bem conhecida do inglês para exemplifica-la é o “walk