Dicas de ouro para uma dieta familiar saudável

Autora: Juliana Morelli Bell

Nem todos nós comemos diariamente alimentos saudáveis, principalmente antes de ter filhos, não é mesmo? Uma das boas coisas que os filhos nos traz é fazer-nos repensar sobre a nossa dieta alimentar, reavaliar a qualidade e variedade de alimentos que colocamos na mesa. Se você faz baby led weaning ou não, repensar na qualidade da sua alimentação com certeza é um ótimo começo! Aqui algumas dicas pra uma dieta familiar saudável: Dica 1: ofereça alimentos frescos, de preferência orgânicos Alimentos para bebês e crianças devem ser frescos e de boa qualidade, de preferência cultivados organicamente. É claro que você também pode usar alguns enlatados como ervilhas ou milho, mas no geral as frutas e as verduras devem ser ou frescas ou congeladas. Se possível, ao menos os alimentos que vão mais frequentemente à mesa devem ser de origem orgânica. Dica 2: farinhas e cereais integrais Se for escolher algum alimento feito com farinha ou com cereais, como por exemplo pão ou macarrão, prefira se possível uma variante com farinha integral. As farinhas e os cereais integrais possuem mais vitaminas e fibras e saciam mais do que os produtos feitos de farinha branca. Mas não precisa se preocupar se não tiver farinhas ou cereais integrais disponíveis ou se você não gostar do gosto. Tente variar a farinha e não “ficar presa” na farinha de trigo. Boas alternativas são: Farinha de espelta – substituta número 1 da farinha de trigo, dá pra fazer tudo o que se faz com trigo Farinha de centeio – ótima para fazer pão Farinha de grão-de-bico – sem glúten, também uma ótima substituta para fazer pães, tortas ou empanadas. Farinha de amêndoa – sem glúten, boa para fazer biscoito e bolo. Pode misturar com o trigo (50% – 50%). Fica uma delicia. Farinha de arroz – sem glúten, dá para fazer pão, quiche, pudim, bolo Farinha de aveia – sem glúten, dá para fazer biscoito, panqueca, mingau, torta salgada Farinha de chia – sem glúten, dá para fazer pão, bolo, torta, sobremesa Dica 3: variedade de escolha Ofereça uma grande variedade de alimentos nos primeiros dois anos da criança. É nesse período que elas estão mais abertas para experimentar tipos diferentes de alimentos. O paladar também é desenvolvido nessa idade. Depois dessa fase as crianças tendem a não experimentar alimentos novos e diferentes por um longo período. Você atinge uma boa variedade de nutrientes comendo colorido. Dica 4: alimentação equilibrada Uma alimentação equilibrada é uma alimentação que possui diferentes categorias nutricionais., como carboidratos, gorduras, proteínas, frutas, verduras e vegetais. Uma refeição não precisa conter sempre todas as categorias nutricionais. Um balanço durante a semana já é o suficiente. Lembre-se que a sua tarefa é oferecer alimentos saudáveis. A criança decide o quê e quanto ela quer comer. Se você oferecer frequentemente refeições equilibradas, pode ter a certeza que o seu filho comerá equilibrado durante a semana – mesmo que um dia ou outro você não tenha essa sensação. Não é necessário e nem recomendável monitorar se ou quanto o a criança comeu. Lembre-se que no primeiro ano de vida o leite materno/a mamadeira é o principal alimento do bebê! Nesse período o “comer” é mais sobre descobrir do que sobre engolir comida. Depois dessa idade continue oferecendo e comendo alimentos saudáveis. Dica 5: aposte em produtos regionais e sesonais. Mesmo que o importado seja tão interessante: qualquer alimento colhido quando maduro e na época certa terá muito mais nutrientes, cheiro e sabor do que aquele que foi colhido verde e viajou para ser vendido em outro lugar. Se você tiver a oportunidade, plante e colha alimentos junto com o seu filho. Crianças adoram mexer na terra, molhar plantas, ver as plantas crescerem e depois comer o que plantou. Escolha plantas que creçam em velocidade diferente, como ervas e temperos (cresce relativamente rápido), rabanete (em ca. 2 - 3 semanas já pá pra ver o bulbo na terra) e cenouras ou batatas (requer mais paciência, demora uns meses para ser colhido - mas o sentimento de tirar uma batata ou uma cenoura da terra é indescritível!). Todas essas plantas e muitas outras dá também para plantar em vasos.

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Se fossemos definir a empatia, poderíamos dizer que é a habilidade socioemocional de se colocar no lugar do outro, sentir como ele. Uma expressão bem conhecida do inglês para exemplifica-la é o “walk