Expanda seu vocabulário

"Muito bem, tá lindo"! "Isso mesmo, que bonita"! "Que linda!" Não, não tem nenhum problema acharmos nossos filhos lindos. Eles são mesmo! Mas será que são só isso?



Pare por 5 segundos. Pense em quantas qualidades seu filho ou filha possui! Ele pode ser... CORAJOSO INTELIGENTE OBSERVADOR SENSÍVEL GENTIL CARINHOSO REFLEXIVO Tenho CERTEZA que ele/ela possui várias qualidades além da beleza, não é mesmo? .

E que tal se pudéssemos pensar em ajudá-los na construção dessa autoimagem de maneira mais positiva? E se pudéssemos ajudá-los a construir Habilidades de vida? Como?

ENCORAJANDO MAIS do que elogiando!

Por que? Porque o elogio está focado na MINHA EXPECTATIVA. E quando eu sempre relaciono um "comportamento esperado" (Esperado pra mim, adulto, OK ?) com beleza, eu NÃO AJUDO a construir autoestima.

UÉ?NÃÃÃÃO?!?! Não. Na verdade, posso fazer inclusive o contrário: Posso ajudar na construção de uma autoimagem FRÁGIL, que estará na dependência da aprovação alheia especialmente em relação à BELEZA FÍSICA. Será que isso explica essa nossa carência emocional por aprovação do nosso corpo? .

Vamos mais a fundo, será que não usamos mais elogios baseados apenas em beleza principalmente para MENINAS? Quais efeitos disso à longo prazo?

Ao invés de "Muito bem, conseguiu! que lindo!" podemos usar: "Você deve estar muito orgulhoso por ter se dedicado tanto e ter conseguido! Parabéns!" "Você é muito corajosa, além de linda." Essa dica te ajudou? Que tal marcar uma mãe e um pai? Pode ser que ajude-os também!

Texto por Soraya Hiraoka @pazepais , Parceira Oficial do Educando Juntos Educadora Parental e Facilitadora da Comunicação Não Violenta (CNV) . #disciplinapositiva #criacaoconsciente #paisajudampais #educacaoparental #educacaopositiva #comunicacaoefetiva #paternidadeativa #maternidadereal #educandojuntos #edujuntos #maternidae #maesefilhos #inteligenciaemocional #elogio #encorajamento

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Se fossemos definir a empatia, poderíamos dizer que é a habilidade socioemocional de se colocar no lugar do outro, sentir como ele. Uma expressão bem conhecida do inglês para exemplifica-la é o “walk