Hora de Ouro - Os primeiros 60 minutos de vida do bebê

A primeira hora de vida de um bebê fora do útero é conhecida como Hora de Ouro (ou, Hora Dourada). Mas o que torna esses 60 minutos tão importantes? Padrões físicos e emocionais importantes estão ativos e começam a ser construídos nesses primeiros 60 minutos de vida. A forma como tratamos o recém nascido na sua Hora de Ouro impacta o seu desenvolvimento e reflete na sua saúde para toda a vida. O nascimento marca uma mudança ambiental brusca para o bebê. Na transição do útero para o mundo externo ele precisa organizar e regular processo físicos vitais como a respiração e a temperatura corporal. Para um recém nascido, essas são tarefas complexas e exigentes, mas se tornam mais fáceis quando ele se encontra no colo da mãe, pele a pele com ela. O contato com corpo da mãe ajuda o bebê a estabilizar sua temperatura corporal, frequência cardíaca e glicemia, tornando a sua adaptação ao mundo externo mais fácil e suave. A forma como conduzimos esta primeira hora também tem impacto na Amamentação. Assim que nasce, o bebê apresenta o instinto e o reflexo de busca pelo peito da mãe. O contato deste bebê ativo com o seio materno, buscando e explorando livremente, envia sinais para que o corpo da mulher libere a produção da prolactina - hormônio responsável pela produção do leite materno. Neste momento, o bebê não precisa efetivamente mamar e nem deve ser forçado a isso, mas é importante permitir que esteja em contato pele a pele com a sua mãe. Logo o após a primeira hora de vida, o bebê começará a ficar mais sonolento e provavelmente passará as próximas horas dormindo, o que dificulta a estimulação da amamentação e torna ainda mais importante que o contato físico imediato entre mãe e bebê ocorra e seja respeitado. É também durante a Hora Dourada que mãe, pai e bebê estão banhados com Ocitocina. Este hormônio é liberado pelo nosso corpo em várias situações: durante o orgasmo, quando abraçamos, beijamos, quando estamos na presença de entes queridos, quando nos sentimos amados e, em e em altos níveis, durante o parto. A Ocitocina está intimamente envolvida com a nossa capacidade de formar vínculos afetivos, com o altruísmo e o cuidado. Assim que nasce, o bebê está alerta para que possa reconhecer e se vincular com seus pais e vice versa. Aqui, o cheiro, a voz e o toque físico trazem o conforto e a segurança que o bebê precisa para se sentir amado, cuidado e protegido, reduzindo o choro e o estresse. Todos os bebês que nascem saudáveis, seja por parto normal ou cesariana, podem (e devem) ser colocados imediatamente no colo da mãe. As exceções são bebês que nascem com dificuldade respiratória e bebês portadores de algumas malformações específicas que requerem cuidados emergenciais. Infelizmente, apesar das recomendações oficiais da Organização Mundial da Saúde e das pesquisas que comprovam os benefícios a curto, médio e longo prazo do respeito à Hora dourada do bebê, muitos hospitais e equipes de saúde não seguem essas orientações e separam precocemente mãe e bebê. Como aumentar as chances da Hora Dourada do seu bebê ser respeitada? Conhecendo e pesquisando sobre o local de parto e equipe de saúde que irá acompanhar o parto; registrando no seu Plano de Parto os seus desejos e orientações sobre os primeiros cuidados com o bebê; internalizando dentro de você e do seu companheiro (a) que é direito do bebê e da família se beneficiarem deste momento e lutando por isso no dia do parto. Quando permitimos que um bebê vá direto para o colo de sua mãe e desfrute dos benefícios deste momento, estamos protegendo e promovendo sua saúde física e emocional. Este é um direito do bebê como ser humano e deve ser prioridade máxima, não somente da família, mas também das equipes e profissionais de saúde.


Texto por Caroline Rosa

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Se fossemos definir a empatia, poderíamos dizer que é a habilidade socioemocional de se colocar no lugar do outro, sentir como ele. Uma expressão bem conhecida do inglês para exemplifica-la é o “walk