Presente em dinheiro, como administrar?

Uma das dúvidas que recebo com frequência é sobre presentes em dinheiro para as crianças. Na minha família, por exemplo, isso sempre foi uma prática bem comum: minha avó e meus pais preferiam me presentear com dinheiro para que eu pudesse fazer minhas próprias escolhas.


Porém, você pode pensar que isso talvez incentive o consumismo da sua criança ou até mesmo achar que ela vai mostrar desinteresse pelo presente em dinheiro. Outro ponto comum é que muitos pais não querem que seus filhos tenham contato com dinheiro tão cedo e acabam ficando desconfortáveis com o presente.


Embora esse tema seja bem particular e não exista uma resposta certa sobre como lidar com o assunto, quero compartilhar com vocês algumas maneiras de enxergar a situação:


1 - A maneira como direcionaremos a compra desse presente pode ensinar muito para a criança sobre administração da vida financeira. Enxergue como a mesada e use esse momento de maneira consciente para ajudar seu filho a fazer escolhas e ter a oportunidade de tomar decisões;


2 - Seu filho não se tornará um consumista pelo simples fato de receber dinheiro de presente desde que você ajude-o a entender o significado desse presente. Explique da oportunidade de escolha, como a pessoa que presenteou se importa e das consequências de se optar por um ou outro destino para esse dinheiro;


3 - Deixe ele decidir o que fazer com o dinheiro: guardar no cofrinho, comprar um presente ou poupar para o futuro. Afinal, se ele tivesse recebido um brinquedo ele poderia abrir e aproveitar, concorda?! Não enxergue o presente em dinheiro como um peso maior do que o que ele realmente tem;


4 - Quero destacar também a importância de ser grato. Incentive seu filho a agradecer e, inclusive, se ele decidir comprar algo ou guardar para uma meta futura, lembre-o de agradecer quem deu o presente quando alcançar a meta. É importante que ele seja lembrado do carinho daquela pessoa e também possa ver a felicidade de quem presenteou sabendo o destino do dinheiro;


5 - Não dê palpite. Nossa tendência é querer ajudar na escolha porque achamos que sabemos o que é melhor para nosso filho. Se você não concorda com a decisão faça perguntas reflexivas para que seu filho tire as próprias conclusões e deixe-o decidir. Pergunte: por que você quer esse presente? Como você vai brincar? Onde irá guardar? Por que prefere esse ao invés de outro? Assim você pode ajudá-lo a refletir e pesquisar.


6 - Não complete o valor caso ele queira algo mais caro. É importante que ele compreenda que o presente deve ser no valor que ele tem disponível. Nada de empréstimos e nem mesmo adiantamento de mesada nesse caso. 

Não existe uma única maneira de abordar o tema, o único consenso é aproveitar essa oportunidade para ensinar seu filho a administrar o dinheirinho que ele acabou de receber de maneira consciente. Esse será mais um passo para uma vida financeira sustentável quando eles forem adultos.


Texto por Priscila Rossi

22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Se fossemos definir a empatia, poderíamos dizer que é a habilidade socioemocional de se colocar no lugar do outro, sentir como ele. Uma expressão bem conhecida do inglês para exemplifica-la é o “walk